Uma tarde em Poblenou (e um vermouth imperdível em Barcelona)

Vou ser sincera aqui. Não conhecia a história de Poblenou e tampouco saí de lá sabendo. Aparentemente era um bairro conhecido como a “Manchester Catalã” pois há um monte de fábricas hoje abandonadas e atualmente se converteu em um pólo criativo da cidade. Eu não sabia de nada disso, era a parada final de uma viagem longa de um mês e só queria mesmo viver um domingo em Barcelona como uma local, se isso fosse possível. Portanto saí ao redor de meio-dia de La Pedrera (a cota turística do dia, imperdível como tudo do Gaudí, é claro), peguei a linha 4 (amarela) do metrô, resisti à tentação de parar na Barceloneta para dar um mergulho e desci algumas estações depois em Poblenou.

Bitácora: restaurante com alma de bairro e tapas maravilhosos

Poucos passos sem rumo após a saída do metrô e caímos diretamente nas Ramblas de Poblenou cheias de restaurantes e cafezinhos simpáticos com moradores relaxados tomando uma caña. Aliás, que cidade boa de se viver, viu? Eu saía para tomar café e o pessoal já estava comendo pão com tomate acompanhado por sua cervejinha às 9h da manhã antes do trabalho (metas de vida).

Enfim, continuamos caminhando e chegamos ao Bitácora, restaurante de tapas tranquilo em uma simpática e silenciosa praça com atmosfera de bairro mesmo. Pedimos uma tempura de aspargos e pão com tomate (como sempre) para começar, depois uma fideuá (a clássica paella com spaghetti ao invés de arroz, típica de Valencia). O vinho escolhido foi o Pipa* 2018, que é o nome deste simpático macaco da foto, já que a renda é direcionada para uma ONG que recuperou este e outros primatas.

Fideuá e Malvasia

Bom, o Pipa* é um monovarietal (observem o infâme trocadilho pois mono é macaco em castelhano) de Malvasía da vinícola La Vinyetà, da região catalã de Empordà. Bem aromático, expressivo, perfume de flores brancas, algo de lichia, fresco, facílimo de tomar, perfeito para aquela tarde de calor e a comida que pedimos.

Aqui vale esclarecer um detalhe. Ao pesquisar sobre a origem da Malvasia que há na Catalunha, descobri que na região existem duas castas diferentes que na verdade não têm nenhum parentesco com a uva homônima que há na Grécia, Itália e em Portugal. Uma é a Malvasia de Sitges, usada para elaborar vinhos doces em Penedès e a outra “Malvasía” – a do vinho que tomei – é a Subirat Parent ou Alarije, cuja origem é a região de Extremadura na Espanha.

Sempre é hora de um bom aperitivo!

Pois bem, almoço finalizado, seguimos caminhando para um lugar que estava bastante ansiosa para conhecer pois haviam me falado muito bem, o Vermut & Sifó , que oferece um vermouth de fabricação própria – o Rosique Vermouth, da Terra Alta – e um toque particular que eu amei: é servido com uma pipeta que vem com uma deliciosa salsa de berberechos com o clássico molho Espinaler (eu trouxe na mala o da marca Baymar, pois é o que usam nesse bar).

Vermutería em Poblenou

Minha tarde em Poblenou foi calma e com experiências gastronômicas aparentemente simples porém incrivelmente saborosas e inesquecíveis. Do jeito que eu gosto! Não vi nenhum turista (nada contra) e aproveitei para relaxar bastante. Recomendadíssimo!

Bitácora: Plaça de Unió, 24
Vermut & Sifó: Bilbao 18