O guia definitivo: explorando as vinícolas de Mendoza

Em março fiz uma viagem de dez dias para Mendoza, durante a colheita de 2017. Recorri mais de 20 vinícolas, degustei dezenas e dezenas de vinhos e pude conhecer os enólogos mais referentes da região – um verdadeiro sonho!

IMG_6526

 

As vinícolas que eu visitei foram: Septima, Achaval Ferrer, Chandon, Cheval des Andes, Terraza de los Andes, Norton, Lagarde, Renacer, Trapiche, Rosell Boher, Dante Robino, Catena Zapata, Escorihuela Gascón, Ernesto Catena Vineyards, Durigutti, Rutini Uco, Superuco, Zuccardi Altamira, Finca Flichman, Nieto Senetiner, López, Altavista e Luigi Bosca. Ufa!

Muitos amigos me perguntam como se organizar para uma viagem vitivinícola. Para ajudar quem está planejando um tour pela zona, vou enumerar alguns momentos inesquecíveis do meu itinerário em outro post. Mas antes, os dados principais de logística para você montar sua viagem:

  • Mendoza está a 1h50 de voo de Buenos Aires. A maioria dos voos sai do Aeroparque Jorge Newbery, que é o de Palermo, bem mais perto e prático do que ir até o de Ezeiza. As companhias Aerolíneas, Lan e Andes fazem voos diretos.
  • De ônibus são 13h30, você pode buscar passagens rodoviárias por toda a Argentina no site Plataforma 10. A rodoviária de Buenos Aires se chama Terminal de Retiro e fica no centro da cidade. Sei que é muito chão, mas como já fiz este trecho durante um mochilão há muitos anos atrás, deixo o link caso alguém esteja nesta onda de aventura e economia.
  • Nesse site você também pode comprar passagens para o trecho Mendoza – Santiago de Chile (duração de 7h), que recomendo muito para os aventureiros que têm alguns dias extras de viagem, a vista da cordilheira dos Andes é singular e impressionante!
  • Na última viagem de Mendoza, cujo foco era visitar vinícolas, eu fiquei hospedada em Chacras de Coria, que é um pequeno distrito bucólico e residencial a 15 minutos do centro de Mendoza Capital. Achei interessante pois muitas bodegas se encontram nesta zona, facilitando bastante o acesso e a locomoção. Lista de hotéis aqui.
  • Este é o tipo de viagem que recomendo fazer um pequeno planejamento antes de ir e pesquisar as bodegas que você quer conhecer, pois algumas visitas têm que ser reservadas com antecipação e também é interessante ter um recorrido base para montar seu cronograma dia por dia. Não gosto de viagens 100% planejadas, adoro a flexibilidade e o “deixar se surpreender” ao chegar numa nova cidade, mas uma vez fui parar em Mendoza no meio de um mochilão com duas amigas em pleno janeiro, verão 40 graus, me lembro que tomamos uns vinhos tintos na hora do almoço que estavam em temperatura ambiente e passamos mal pois fazia muito calor, só queríamos dormir, e depois decidimos contratar o wine tour do nosso hostel, que foi bem “turistão” e super impessoal. Portanto, ter um mínimo de organização é sempre interessante para você ter um recorrido feliz e satisfatório!
IMG_6105
Malbec na Catena Zapata: como é lindo ver as uvas no seu ponto de maduração!
  • Obviamente não recomendo alugar carro pois a ideia é degustar vinhos; além disso é bem melhor contratar um remis (carro particular) com um motorista local que conheça a região. Lembre-se que em Mendoza ainda há muitas zonas remotas, especialmente algumas partes de Valle de Uco, portanto não dá para confiar 100% no celular e no google maps.

Falando nisso, eu que adoro um mapa criei um documento no google maps com as bodegas que visitei e também as que recomendo. Desse modo vocês podem calcular bem a distância entre uma e outra e ver as que estão perto e visitá-las no mesmo dia (eu recomendo duas, no máximo três por dia).

mdz_maps
Clique aqui para abrir no Google Maps

Se vocês observarem, embora pareça muita coisa, os 10 dias e 24 bodegas que visitei estão longe de dar conta de tudo o que Mendoza tem a oferecer. Portanto, minha dica principal é não se preocupar em ver o máximo de vinícolas possíveis, a quantidade aqui é irrelevante pois é impossível conhecer todas em uma só viagem!

Recomendo fazer tudo com calma, mesmo tendo 2 dias ou uma semana na região, o importante é não ter pressa, aproveitar bastante as visitas, as conversas, as degustações! Mendoza tem essa singularidade que é a cordilheira dos Andes como pano de fundo das vinícolas, o que a torna realmente uma viagem mágica e inesquecível, não só pelos vinhos, mas também pela natureza que a envolve.

IMG_6430
Dia lindo e nublado na bodega Rutini, em Valle de Uco.

Nos próximos posts vou contar mais sobre a visita nas bodegas. Você já foi para Mendoza, ou planeja ir? Comente aqui sua experiência! Se ficou com alguma dúvida para organizar sua viagem, por favor comente também!